08/02/2010

Baía de Angra do Heroísmo

A cidade de Angra do Heroísmo está associada aos descobrimentos marítimos dos séculos XV e XVI.
O seu porto, denominado de Porto das Pipas foi o ponto de encontro de inúmeras embarcações, tais como caravelas, naus, galões e até mesmo barcos carregados de riquezas e matérias exóticas.
A cidade de Angra desempenhou e têm desempenhado um papel fundamental na história nacional, tendo uma acção decisiva nos destinos de Portugal.
O Porto das Pipas foi o único porto de carrega e transbordo a meio do Atlântico. Foi o porto que forneceu descanso aos marinheiros e o ponto de acesso fácil e rápido, que permitiu uma maior facilidade para o auxílio à tripulação doente.
Sendo assim a baía de Angra constitui uma marco fundamental na descoberta e colonização do novo mundo.
A ligação de Angra aos Descobrimentos marítimos e através do seu porto seguro, que foi estiva obrigatória das frotas de África e das Índias, sendo um exemplo da criação de uma metrópole ligada à função marítima, tornou-se na primeira cidade portuguesa inscrita na lista do Património Mundial da UNESCO.
Estão sinalizados vestígios de aproximadamente 90 naufrágios históricos, na baía de Angra, nos quais foram identificados cerca de duas dezenas de sítios com interesse arqueológico.
As profundezas da Baía de Angra escondem tesouros com uma rica história arqueológica.
Encontram-se vários despojos de naus, navios de passageiros, referentes aos sécs. XV e XX, constituindo uma arte de artefactos. Âncoras, balas de chumbo e até, mesmo peças de artilharia de ferro são apenas alguns dos vestígios dos Descobrimentos marítimos.
Estes tesouros incríveis, da época que predominava o transporte marítimo de mercadorias e pessoas aguçam a curiosidade de locais e forasteiros!

Texto escrito por Ana Meneses

5 comentários:

Álvaro disse...

Os portos dan riqueza as comunidades, igual que a industria.

Saúdos

Manuel disse...

Os meus parabens aos autores do blog, excelente divulgação dos mares das nossas ilhas.
Cumprimentos
Manuel

Maria Constança Duarte Gonçalves disse...

Foi criado no FB, o Grupo- Não ao Cais de Cruzeiros em Angra
http://www.facebook.com/home.php?sk=group_197932270221340

O Governo Regional dos Açores, insiste no projecto de construção de um cais para grandes cruzeiros na baia de angra com a conseguente destruição do património subaquático existente. Só para se ter uma ideia do que falo, um dos galeões encontrados a que foi dado o nome de Angra D por não se saber ainda o verdadeiro é o maior e mais bem preservado "galeón de la plata" encontrado no mundo até agora.
Estado actual: a apodrecer desde 1998, às peças, no fundo da baía de Angra, por incúria e desleixo do Governo Regional dos Açores. Há mais de dez anos e agora , querem destruí-lo definitivamente com as dragagens.

Maria Constança Duarte Gonçalves disse...

A baía de Angra do Heroísmo é, do Mundo, a que maior densidade de naufrágios históricos apresenta - nela se encontram mais de noventa navios naufragados, desde caravelas portuguesas até vapores brasileiros, passando por galeões espanhóis e naus da Carreira da Índia portuguesa.

Estes naufrágios estão protegidos por várias leis, desde a Convenção da UNESCO que Portugal ratificou em 2008 até às mais variadas leis nacionais e regionais - a baía está classificada como Parque Arqueológico subaquático, onde é proibido construir o que seja.

Não obstante isto e não contente com o estrago que a construção da Marina de Angra causou já a este património único no Mundo, o Governo Regional dos Açores quer agora construir ainda mais outro mamarracho nesta acanhada baía: um cais Terminal de Cruzeiros.

Ao arrepio da democracia participativa e, pior, ao arrepio de toda a legislação de protecçção ao património cultural subaquático vigente, incluindo a que ele próprio aprovou, o Presidente do Governo Regional escolheu a baía de Angra como alvo de mais uma betonagem. Escolheu-a como opção política, sem que houvessem quaisquer estudos de impacte ambiental feitos, sem que estivessem em cima da mesa quaisquer outras opções em discussão.

E, o mais grave disto é que,em total desconformidade com os princípios da economia, da eficiência e da eficácia, jaz às moscas e a menos de 20 km de distância, o Porto Oceânico da Praia da Vitória - o local ideal para construir o Terminal de Cruzeiros da Ilha Terceira!

Concluindo, a construção de um cais desta natureza na baía de Angra mais não é do que um capricho do Governo, que este agora quer legitimar ordenando a elaboração, a posteriori) de um estudo de impacte ambiental. É um atentado ao património, um assassinato da legalidade, uma infracção às regras comunitárias e um descaso à UNESCO e aos cidadãos - açorianos, continentais e estrangeiros - que preferem o peso e o legado da história ao perfume da modernidade bacoca do betão.
....
Denúncia junto da Unesco pelo arqueólogo subaquático português , Alexandre Monteiro , sobre a destruição do património arqueológico na Baía de Angra com a construção de um Cais de Cruzeiros.

http://ww2.publico.pt/Local/construcao-de-cais-de-cruzeiros-em-angra-do-heroismo-denunciada-junto-da-unesco_1419561
....
Carta Aberta a Carlos César, Presidente do Governo Regional dos Açores sobre a localização do Terminal de Cruzeiros da Ilha Terceira, por Alexandre Monteiro (arqueólogo subaquático)

http://www.acores.net/noticias/view-36531.html

Obrigado

Maria Constança Duarte Gonçalves disse...

E porquê a destruição disto ?

Parques Arqueológicos Subaquáticos dos Açores.

http://pg.azores.gov.pt/drac/cca/pasa/sitios_arqueologicos/default.aspx

....

Onde estão os açorianos ? Eu não sou açoriana, sou uma visitante, faço mergulho e desde miúda que oiço histórias dos Açores, a minha mãe foi professora em S.Miguel , em Angra, etc.

Angra, a primeira cidade portuguesa considerada Património da Humanidade. Angra que foi sede do

Direção

Tibério Barbeito e Zeferino Espínola Contacto: azoresub@hotmail.com