01/11/2009

Abrótea do Carlos


    Em mais um dia de caça, saí do porto da vila nova com um amigo meu. Entramos na água com o mar manso, mas com a visibilidade péssima, pois não se via um palmo a frente do nariz, era só areia devido ao mar ter estado bravo na noite anterior mas já que estávamos na água continuamos a nossa caçada.


    Então ao fim de muito tempo e só com um salmonete na saca, olho por acaso para trás onde já tinha passado e vejo um peixe a passar junto a uma pedra, como tinha muita areia não consegui ver bem que peixe era. Pensei que fosse uma veja mas achei estranho uma veja muito perto de mim elas nesse dia estavam muito desconfiadas e fugiam logo quando mergulhávamos para elas, virei atrás, desci cerca de uns 6 metros, mal virei a cabeça vi longo uma linda abrótea, dei-lhe um tiro mas não ficou por aqui pegou-lhe mal e ela rasgou-se esgueirando-se para debaixo de uma pedra.

    Vim acima recuperar ar e chamei o meu amigo para ficar por cima caso ela passa-se para outra pedra enquanto estava lá em baixo, foi a melhor coisa que fiz, fui lá baixo duas vezes procurar bem debaixo de todos os buracos. Vinha para cima a pensar que a tinha perdido, quando o meu colega disse que a viu a passar para outra pedra, nem descansei, virei logo para baixo, procurei e lá e vi aqueles lindos bigodes, já sem ar na maquina já quase nem encontrava o gatilho bauuuuuuuuuuuu, desta vez saiu bem o tiro, deu trabalho mas valeu a pena, trouxe um peixinho de 1.900 kg resultado da caçada foi 1 abrótea e dois belos salmonetes. Nesse dia não se conseguiu mais nada, o meu amigo saiu com dois polvos. Esta foi a minha história de mais um dia de caça submarina. Boas caçadas pessoal.

1 comentário:

GuiGo disse...

é bem ;)
Boa abrotea

Continuação de boas caçadas

Gui

Direção

Tibério Barbeito e Zeferino Espínola Contacto: azoresub@hotmail.com