20/11/2009

As anchovas

Já há algum tempo que devia este artigo aqui ao amigo Tibério que tão gentilmente me pediu eheh

Pois bem neste artigo vou falar um pouco sobre um peixe em particular digno de seu estatuto como troféu… tanto pela mítica sua agressividade, bem como sua atitude esguia perante o caçador, é precisamente das anchovas que falo.

É um peixe com carácter migratório, geralmente os exemplares mais jovens, bem como sedentário, principalmente os exemplares de maior tamanho. Podemos ser surpreendidos por cardumes de considerável dimensão na altura em que as águas aquecem, é sinal que as anchovas estão a chegar! No geral são exemplares de pequeno a médio porte, com peso entre os 2 e os 4 quilos, o que descreve o grupo de migração mais acima referido.

È a época melhor para procurar as anchovas, tanto na espuma como em baixas em que juntem comedia (principalmente sardinhas e chicharros) e ainda entocadas, correspondendo neste caso à desova que ocorre nos meses de verão.

Pessoalmente tenho tido mais oportunidades na espuma, e é a técnica que prefiro para as capturar, é nela que tenho tido hipótese de tiro aos maiores exemplares, para alem de que e nesta que há maior probabilidade de as ver durante todo o ano, já que os exemplares que tendem a sedentariar-se (os de maior porte), têm por hábito caçar em aguas baixas junto da rebentação, onde surpreendem as presas que estão precisamente a fazer o mesmo, a alimentarem-se.

Material de escolha para elas difere precisamente da técnica que usamos, nas baixas a oportunidade de tiro é obtida no geral aquando de uma espera ou agachon, daí a que uma arma comprida (entre os 100 a 110 cm) seja a melhor opção, também munida de uns bons elásticos (18 ou 20 mm) e arpão de 6.5 mm, atenção á sua rapidez e não esperar muito que ela dê o flanco, ao mesmo tempo que está de frente, também tão rapidamente vira e foge.

Na espuma as armas deverão ser mais reduzidas já que somos obrigados a virá-la rapidamente e os tiros são dados muitas vezes a pouca distância, neste caso uma arma mais reduzida (entre os 75 e 90 cm) será a melhor opção, uns bons elásticos, não tão potentes (18 mm ) e arpão de igual espessura. Em ambos os casos deverá ser usado carreto, porque assim ter-se-á mais espetacularidade na captura, o que também e importante na caça-sub!! Escusado será tentar as caçar sem qualquer maneira de as poder trabalhar, já que basta um arranque e lá vai ela de “mastro beuchat” pendurado… O segredo na oportunidade de tiro na espuma será talvez ter sempre a visão focada na zona posterior à arma… na época forte delas, a favor da corrente (peixes predadores caçam no geral contra a corrente), em fundo rochoso e com agua a coisa de metro o que não vão faltar são anchovas a aparecer, daí a que seja doloroso sair de agua tendo visto tanta anchova e não ter tido oportunidade de disparar a uma que seja… Tenham calma, sejam pacientes, é também um dos segredos desta pesca, bem como um pouco de sorte de uma passar a jeito, mas a sorte também procura-se, daí a que a visão focada sempre em frente da arma e alternando em agachons por trás das pedras que vão aparecendo de maior dimensão seja um bom partido. Elas irão aparecer por vezes confiantes e a dar oportunidade de tiro, bem como assustadas e a alta velocidade… como em tudo e preciso muita persistência, para que se obtenham resultados! Outro aspecto importante a trabalhar este peixe quando arpoado é ter em consideração vários factores: a carne macia desta, levando a que estas se rasguem com facilidade se o tiro não for bem colocado; a maneira como este peixe se debate, é preciso manter sempre a tensão no fio, caso isso não acontecer, estas irão debater-se violentamente contra o fundo, o que acontece muito facilmente quando estamos na espuma, e estas literalmente puxam o fio e depois aliviam a tenção do fio vindo um pouco em nossa direcção e de seguida roçar-se no fundo o que muitas vezes pode dar lugar a uma barbela que fecha e um peixe que foge, é bem desmoralizante, sentirmos que tivemos tão perto de a ter e de repente elas estar tão longe e ferida… por isso uma boa barbela ser muito importante! Aconselho vivamente a usá-la invertida ou uma dupla barbela, e claro está… embora o tiro tenha que ser instintivo, é bom que também se tente dar o melhor possível (na cabeça à partida estará praticamente garantida a captura), pior que nós lixados por ter-mos perdido o peixe e também ter um peixe a deambular algures sem hipótese de vida, isto aplica-se tanto a anchovas como a outro peixe qualquer claro!!!

Tentem que vale a pena ;) o que escrevi não e de todo um conceito, mas sim alguns conselhos que posso dar tirados por experiência própria.

Resta-me desejar boa sorte, AH! E muito cuidadinho com aquela boquinha completamente serrilhada, o que morder… vai estragar… ah vai vai!!

Sejam selectivos!



Um bem haja! Nuno Correia aka NC aka Azorean 

2 comentários:

GuiGo disse...

epah gostei do texto, muita bem.. agora tenho umas coisinhas apontar... pelo menos na minha opinião para as anchovas nunca usar se armas de 75 e elasticos de 18mm... na espuma usa uma arma de 90 com elásticos de 20mm de preferencia de volta e progressivos... eu por exemplo uso na minha de 90 um arpão de 140cm, no caso da espuma utiliza um de 130cm. e outra coisa... anchovas de 4kgs são anchovas de pequeno porte.... elas podem atingir os 20kgs...
essas sim devem dar uma pica desgraçada hehe

abração

Eleuterio Madrid Gomez disse...

Bonitas capturas, en particular la pesca submarina me gusta un montón, aunque no la práctico.
Intente ponerme en tu blog como seguidor, pero no funciona esta opción en tu blog, lo intentare en otra ocasión.
Un saludo LUTE. (Elgusanillodelapesca.)

Direção

Tibério Barbeito e Zeferino Espínola Contacto: azoresub@hotmail.com